Bem-Vindo ao site do Matemático Valdivino Sousa

test

É difícil aprender Matemática ou é mito?


alt text

É difícil aprender Matemática ou é mito? A velocidade em que as mudanças no conhecimento vem acontecendo, aponta para a necessidade de que cada pessoa tenha seu senso critico cada vez mais bem formado, visto que tais mudanças podem ser consideradas contínuas e irreversíveis. Desde a mais tenra idade o senso crítico deve ter sua iniciativa de construção despertado, de forma que tal iniciativa possa acompanhar e evoluir em qualquer cidadão por toda a vida. Dentro dessa linha de pensamento, é possível afirmar que o sistema de ensino deve levar em consideração a responsabilidade que mestres e tutores, por assim dizer, que são os maiores responsáveis pela formação atuante nesta questão, não se esquecendo também das mais diferentes formas de aprendizado e ensino por e para qualquer cidadão.

 Questiona-se muito a forma como o aluno chega em seu estágio superior de aprendizagem, diga-se de passagem, com uma vasta lacuna nos principais, e por que não dizer, nos fundamentos mais básicos da ciências exatas! Há de se ressaltar que há mestres e doutores que relacionam a falta de aperfeiçoamento de técnicas que despertem nos alunos, o interesse pelas aulas, em especial na disciplina de matemática. Por outro lado, existe uma corrente de pensadores que identificam uma classe de alunos, que “não querem saber de nada”, na consideração que induz a obrigatoriedade de frequência escola, pois enxergam o ensino como algo fora de sua realidade. Há ainda um segmento que considera em matemática por exemplo, cálculos que são realizados sem saber o porquê, pois inexiste uma situação, principalmente do cotidiano, que os justifiquem de forma concreta e atraente, induzindo ao pensamento sintomático de antipatia pela matéria. Há de se considerar ainda, que a falta de um trabalho que induz ao interesse e principalmente à criatividade, assim como o despreparo dos mestres nesta matéria ao ensinar, tem como consequências que vemos hoje na maioria das salas de aulas.

A educação matemática, além de atribuir um lugar de destaque à escola enquanto local primordial de educação – enfatizando a sua importância no mundo moderno – também torna evidente o caráter redentor da educação escolarizada, em consonância com o saber matemático completa a preparação do cidadão: o elemento-chave para preparação do cidadão no mundo moderno é a matemática e, como tal, ele é a peça essencial dos sistemas escolares.”(D’AMBRÓSIO, 2001).
Nos últimos tempos, registra-se que o ensino em matemática baseado em fórmulas e técnicas que não levam a construção do conhecimento, resultam no caráter de mero reprodutor de conhecimentos, de fórmulas prontas, conceitos pré-determinados, sem que se conheça o “como”, “de que forma”; e a pergunta que nunca se cala! “Onde eu vou utilizar isso”!

“Os alunos se dispersam quando o ensino da matemática se faz rotineiro, ocultando consciente e inconscientemente sua verdadeira força e beleza, complicando-a inutilmente com fórmulas que não sabem de onde vem. O ensino tem que alcançar uma investigação em que o aluno sinta a sensação de estar fazendo algo com isso, em que se sinta mais confiante colocando em prática o seu trabalho efetivo com isso, faça-o perceber o seu próprio rendimento.” (MACHADO, 1992)

Se por um lado, toda abordagem em termos de ensino feita diretamente no sentido lógico do conhecimento, não é necessariamente, digamos assim, a melhor abordagem para a efetiva concepção de aprendizagem, por outro lado, quando se considera os principais aspectos psicológicos dos alunos de forma geral, ou quando valorizamos o seu processo de aprendizagem, somados à criatividade e conhecimento dos que ensinam, iremos valorizar o seu saber com relação ao objeto de conhecimento, temos ai, maior chance de sucesso. Na contramão desta descritiva, há de se considerar que boa parte dos educadores realizam seus trabalhos da forma mais tradicional conhecida, sem procurar ou destacar a arte do conhecimento, e que infelizmente também não valorizam ou mesmo não conhecem os processos de aprendizagem, interferindo de forma negativa em seu aproveitamento, culminando com a caracterização maior das dificuldades em qualquer âmbito. Para que se chegue a linguagem formal e rigorosa, tão importante em qualquer área do conhecimento, não só na matemática, é necessário valorizar, num primeiro momento, a linguagem natural do aprendiz ainda quando criança, e para que se chegue aos conceitos cientificamente elaborados é necessário valorizar, como ponto de partida, os conceitos que já se tem sobre os objetos de conhecimento. Só assim podemos transformar nossos alunos em cidadãos que saibam utilizar-se de seus conhecimentos para construir uma sociedade digna que respeite e dê valor à educação, tão importante para o sucesso e progresso de uma sociedade.

OS CONCEITOS PRIMORDIAIS DE APRENDIZAGEM

Em qualquer sistema de ensino priorizado pelos mestres do ensino existe, por assim dizer, uma maneira que podemos denominar como predominante na forma de ensino/aprendizagem! Todavia, nenhuma forma em si identifica a maneira concreta ou correta de aprendizagem, pois há de se levar em conta que existe um vácuo imenso entre o processo de aprendizagem e a dinâmica de ensino pelos que a exercem, de difícil previsão e concepção. Assim sendo, é necessário que os profissionais acadêmicos compreendam que existem princípios fundamentais na concepção do ensino, independente da área específica de atuação; e que também independente de novas formas e maneiras de proporcionar a ênfase da aprendizagem, são princípios que são estudados desde a muito tempo, por mestres que buscam incessantemente desvendar a magia na parceria ensino/aprendizagem. Em detrimento até de ver e conceber a aprendizagem, durante séculos, estabeleceu-se etapas significativas no processo evolutivo da educação, chamados dignamente de conceitos.

CONCEITO HISTÓRICO CULTURAL

De acordo com Bittencourt (1994), a ideia original ou conceito que se identifica como Histórico-Cultural e o processo de aprendizagem estão coligados ou relacionados desde o nascimento do ser humano. O processo de desenvolvimento não é tão previsível como se pensava, ou mesmo universal e linear; em contrapartida ele seria construído no contexto, na interação com a aprendizagem. Tais processos, tidos como desenvolvimentos elementares originam-se biologicamente e suas funções psicológicas superiores são de origem socioculturais, cujas raízes são consideradas históricas. A significância do conhecimento é social, sendo determinado pelas relações humanas, deixando de existir em si mesmo. Parte-se do princípio que tudo que envolve a realidade humana é originária nas relações sociais ou socioculturais do convívio. A percepção do conhecimento está diretamente ligada às relações sociais da sua época, dá-se do plano social para o individual. Há de se considerar ainda, que a linguagem tem papel predominante na formação do conhecimento humano em sua consciência em si, que não é inata e nem resultado de ações propriamente pessoais, e sim influenciada pelo meio. Neste quesito, é interessante que o mestre seja identificado como o que leva ou levará o aprendiz à busca pelo conhecimento, sem que se despreze o que já aprendeu ou o que já sabe, oriundo de seu histórico de aprendizagem, induzindo-o inclusive a descobrir o que circula em torno do seu convívio sociocultural, produzir, criar, ser crítico nas situações do seu cotidiano, aprimorando seus conhecimentos acumulados historicamente.

CONCEITO CONSTRUTIVISTA

De acordo com Lima (1984), tal ideia original ou conceito, todo ser humano não nasce com conhecimento, e nem o adquire através do meio. Trata-se na verdade de um processo de construção permanente através do desenvolvimento da pessoa em si, identificado por processo de desenvoltura e por fases pré-estabelecidas. Tal processo é baseado nos progressos em desenvolvimento, que não o influencia e nem o direciona, ocorrendo somente ao atingir determinado nível de desenvolvimento, tratando-se portanto de uma maturação biológica das estruturas cognitivas sob o ponto de vista construtivo. Considera ainda, que toda pessoa é estruturada com mecanismos próprios, independente do seu convívio social, dependendo diretamente da sua maturação biológica, partindo de esquemas motores que levam a troca entre organismos e meios, através do processo de adaptação progressiva. Neste quesito, os mestres tem como papel principal, introduzir situações que provocam equilíbrio nos alunos, respeitando cada etapa do seu desenvolvimento natural, ensinando-os a observar, investigar e determinar inter-relações. Considera-se ainda que o mestre neste caso, é identificado como orientador, que propõe situações problemas, instigando a busca por soluções de características próprias, respeitando as fases do desenvolvimento em si. Tratando-se na verdade de um mediador que envolve e estimula a cultura do aprendiz.

CONCEITO AMBIENTALISTA

Para Hilgard (1998), Trata-se da ideia original ou conceito de que o aprendiz é considerado “uma folha em branco”, que começa a ser preenchida ao iniciar sua frequência escolar, adquirindo conhecimentos que não possuía. O mestre é identificado como o “dono do conhecimento” e o aprendiz não possui conhecimento algum, aprendendo ou não com o mestre, dependendo inclusive da sua vontade e conhecimento verdadeiro; o que não permitiria por exemplo, em nenhuma circunstância, qualquer tipo de contestação. Sendo o aprendiz induzido a memorizações, repetições, incluindo ai os exercícios pré-relacionados. Neste quesito, a experiência do mestre é imprescindível; e todos os fatos relacionados ao conhecimento devem ser sensoriais e o processo de conscientização é gerado principalmente pelos estímulos presentes numa situação que induz a determinados comportamentos. Um dos aspectos principais da ideia ambientalista está também diretamente relacionada aos elementos presentes no processo de ensino, que torna possível controlar o comportamento e aprendizado, dos quais dependem o sucesso ou insucesso do aprendiz. Dessa forma, tanto o ambiente como o mestre são quem programa propriamente o ensino e controla os respectivos níveis. Resumidamente, existem dois ditos populares que embasa tal conceito: “É de menino que se torce o pepino” e “Água mole em pedra dura, tanto bate até que fura”.

CONCEITO INATISTA

Conforme Pozo (1998), esta ideia original ou conceito, mostra que o ser humano é considerado um sujeito que já nasce pronto, com seu potencial já definido. O papel tanto da escola como do mestre é o de facilitar as manifestações já contempladas e inatas do aprendiz, induzindo a fluidez natural do conhecimento, produzindo situações que demonstrem experiências desenvolvedoras através do conhecimento, visando somente a verificação do nível de aprendizagem, e culminado com a indicação de que é o aprendiz que determina o meio. Por tratar-se da tese de que a capacidade cognitiva básica do aprendiz já está pronta por ocasião do seu nascimento, sua capacidade cognitiva também já está definida geneticamente; o nível de raciocínio preexiste, sendo que a participação tanto do meio como do mestre pode, no máximo, acelerar o processo. Outro fato relacionado a este conceito, é que as estruturas mentais já estão totalmente formadas e organizadas de tal modo que não são induzidas pela razão humana, considerando ainda que cada individuo já “nasce pronto”. Todavia, há de se considerar ainda, que as bases deste conceito é constituído pelo tripé: formação biológica, aptidão e prontidão. Em contrapartida, se fosse possível resumir este conceito também, em dois ditos populares, diríamos: “Pau que nasce torto, morre torto” e “Filho de peixe, peixinho é”.

CONCLUSÃO

Desde o início dos tempos, todo processo de aprendizagem vem se modificando e adaptando-se às circunstâncias que os cercam, indicando assim a necessidade de que os mestres e tutores acompanhem tais transformações. Dentro dos conceitos aqui citados há de se ressaltar as diferentes fases de mudança que podem levar os facilitadores do processo de aprendizagem a parar e refletir sobre que “tipo de material humano” tem em mãos; procurando na verdade desviar-se do enfadonho e desestimulante processo sem distinção situacional que na verdade não leva a nada além da prática também enfadonha do processo de ensino.
O processo bem sucedido de aprendizagem, se observado, deveria tornar-se consciente ao educando para que fosse reforçado e para que pudesse ser relembrado quando necessário. Todavia, não é o que normalmente ocorre. (MACHADO, 1992).

Dessa forma, tanto a repetência, em detrimento até do processo de “aprovação continuada”, evasão escolar e o desinteresse por parte do aprendiz, pode e deve ser minimizada, levando-se em conta a interação de todos os aspectos que envolvem o processo de aprendizagem em detrimento do desenvolvimento cognitivo do aprendiz e as interações com os mestres que embasam seus conhecimentos no processo educativo. Não importa a época, nem o mestre nem o aprendiz, fato é que o que realmente leva ao processo educativo, no mínimo satisfatório, é o que está sendo abordado de forma consciente e alegre durante o processo. Ainda dentro destes destaque do processo de aprendizagem, há de se afirmar que no quesito “ensino de matemática”, poucos percebem, infelizmente, que existe um enorme contingente tanto de alunos como professores, que apresentam dificuldades tanto no processo de ensino como no de aprendizagem, e em muitos casos não sabem e nem tentam lidar com estas situações. Poucos percebem que tudo está relacionado ao cotidiano e com as mudanças da sociedade tanto nos princípios sócias como nas inovações tecnológicas do dia-a-dia. Todavia, há infinitas afirmações que reconhecem a importância da matemática para a formação do ser humano ou o individuo em si.
Por meio da matemática é que o homem constrói a si próprio, e é através dela que os instrumentos para o desenvolvimento de sua personalidade intelectual e de sua educação moral é embasada. (MACHADO, 1992).

Respeitando qualquer dos conceitos que possam ser atribuídos a cada individuo, pode se afirmar que o desenvolvimento e aprimoramento do processo tanto mental como natural e até mesmo moral, no que depender da forma de aprendizado principalmente da matemática, o levará a percepção e compreensão do mundo que o cerca, e o potenciará, no que depender de si e de seu processo e aprendizagem, a contribuir com uma sociedade melhor e mais justa sob todos os aspectos.

BIBLIOGRAFIA

BITTENCOURT, Ricardo Luiz de. Concepções de aprendizagem e suas repercussões sociais. 1994. Monografia (Especialização) – Fundamentos da Educação. Universidade do Extremo Sul Catarinense, Criciúma.
D’AMBRÓSIO, Ubiratan. Educação Matemática da Teoria a Prática, 8. Ed. São Paulo: Papirus, 2001.
LIMA, Lauro de Oliveira. A Construção do Homem Segundo Piaget: uma teoria da educação: São Paulo: Sumus, 1984.
MACHADO, Maria G. De Bom. Dificuldades Encontradas Pelos Alunos de 5a. a 8A. série no Processo de Aprendizagem da Matemática, 1992. Monografia (Especialização em educação matemática), Universidade do Extremo Sula Catarinense. Criciúma.
HILGARD, Ernest Rapiequete, Teoria da Aprendizagem: Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.
POZO, Juan Ignácio. Teorias Cognitivas da Aprendizagem. Porto Alegre: Ed. Artes Médicas, 1998.


 Fonte: Artigos.com






Sobre o Autor

Prof. Ms Valdivino Sousa é Contador, Matemático, Pedagogo, Psicanalista, Bacharel em Direito, Escritor e Mestrado em Ciências da Educação Matemática. Criador do método X Y Z que facilita na aprendizagem de equação e expressão algébrica com objetos ilustrativos. Docente nos cursos de Matemática, Ciências Contábeis, Administração e Engenharia. Autor de mais de 10 (dez) livros e têm vários artigos publicados em revistas e jornais especializados. Blogueiro Mtb 60.448, Consultor e Estrategista de Mídias Digitais. Semanalmente escreve para o portal D.Dez, Jornal da Cidade e Folha Online. Sobre: Comportamento, Educação Matemática e Desenvolvimento da Aprendizagem. Tem experiência na área de Matemática, com ênfase em Equações Diferenciais Parciais, Matemática Computacional e Engenharia Didática, atuando principalmente nos seguintes temas: métodos numéricos, equações diferenciais, modelagem, simulações e didática no ensino de matemática. Acesse o site: www.matematicosousa.com.br E-Mail: valdivinosousa.mat@gmail.com Whatsap: 11 – 9.9608-3728

Nenhum comentário