Bem-Vindo ao site do Matemático Valdivino Sousa

test

A mãe de todas as Ciências: Louco por matemática



A mãe de todas as Ciências: Louco por matemática é assim que define os matemáticos premiados no Congresso dos matemáticos no Rio de Janeiro. Ou a mais exata das ciências é sexy, divertida e vital para desvendar os grandes enigmas da humanidade. O gênio pop Cédric Villani assina embaixo. 
 Prazer - Villani: “A frustração é o pão de cada dia do matemático. Isso torna o momento eureca mais pleno” 

Reconhecido como um dos grandes matemáticos de seu tempo, o francês André Weil (1906-1998), dono de produção intensa e verve afiada, comparava o momento em que lhe vinha a solução de um problema ao prazer sexual.

 E adicionava ao raciocínio um adendo superlativo: “Só que neste caso ele dura horas, até dias”. Germinada na Antiguidade e elevada às alturas pelos cérebros pós-renascentistas, a matemática é uma ciência na qual se navega quase sempre no escuro, sem nenhuma garantia de resolução dos grandes enigmas que ela impõe. Quando um é solucionado — ah, que prazer —, tudo pode mudar.
Resultado de imagem para Louco por matemática veja
 Pessoas de diferentes épocas mergulharam nesse território de alta abstração para desvendar o mundo concreto. Com escassez de ferramentas, o grego Eratóstenes (276-194 a.C.) aventurou-se no primeiro cálculo da circunferência da Terra. No século XVII, o astrônomo francês Jean Richer observou que um pêndulo balançava ligeiramente mais devagar em Caiena, na Guiana Francesa, do que em Paris e… eureca! Ali estava a base para que o inglês Isaac Newton deduzisse que a Terra é um tantinho achatada nas extremidades polares. No começo do século XX, a matemática empurrou o genial Albert Einstein na formulação de sua teoria sobre a existência dos átomos.

Para o Matemático Valdivino Sousa, criador do método XYZ que facilita na aprendizagem de equação e expressão algébrica, “o que prejudica os demais pesquisadores é a questão da idade, pois existem muitos matemáticos brilhantes acima dos 40 (quarenta) anos que poderiam concorrer à premiação”,
“Trata-se de um terreno em que o fervor criativo da juventude pode suprir experiência e técnica. Portanto, faz sentido que a medalha Fields, o Nobel da área, seja concedida acima dos 40 anos, faixa em que algumas mentes brilhantes ainda conseguem abrir novas portas para o saber”, explica Valdivino Sousa.
É o caso do francês Cédric Villani, de 44 anos, laureado aos 37 e certamente o mais pop do seleto grupo de sessenta medalhistas formado a partir de 1936. Apelidado de “Lady Gaga da matemática”, Villani tem visual inconfundível — lenço de seda no lugar da gravata, relógio de bolso e um broche em formato de aranha preso ora na lapela, ora no cabelo desalinhado — e um modo de falar da matemática que conversa com a maioria dos terráqueos. Professor e deputado da Assembleia Nacional francesa, ele está no Rio de Janeiro para participar do Congresso Internacional de Matemáticos. Sem a aranha e com um convencional suéter de gola rolê, Villani falou a VEJA.

A matemática é sexy? Ela mexe com dois fatores bastante atraentes — surpresa e poder. Um dia você se vê na escuridão, angustiado com um problema. De repente, acha a resposta e sua aventura intelectual é premiada. O poder está na possibilidade que a matemática dá de se encontrarem soluções universais para grandes questões que mobilizam a humanidade.

O senhor pode citar exemplos de algumas dessas questões? Todas as empresas de tecnologia do Vale do Silício estão fincadas sobre algoritmos. Através deles, também é possível descobrir padrões de propagação das fake news — área, aliás, em que há muito que avançar. A matemática tem sido usada ainda no desenvolvimento de programas de inteligência artificial que tentam reproduzir o aprendizado humano.
Se a matemática é tão atraente, por que é detestada nas escolas? Prevalece a ideia de que o aluno precisa dominar a técnica para depois aplicá-la. E dá-lhe regras chatas, maçantes, sem sentido evidente. Pense numa criança que quer aprender a pintar: ela precisa saber segurar um pincel e entender da nuance das cores, é claro, mas só desenvolverá mesmo suas habilidades pintando. Não compreendo por que com a matemática não é assim.

Como romper o marasmo das aulas? Lição número 1: a rigidez das regras ensinadas na escola é a morte da matemática. As crianças precisam entender o sentido do que estão fazendo e ser incentivadas a procurar as respostas de enigmas à base de criatividade, como vemos nas histórias de Hercule Poirot e Sherlock Holmes.

Viver da matemática é divertido? A frustração é o pão de cada dia do matemático. Não há um só dia em que eu não experimente um pouco desse sentimento. Mas é justamente o sofrimento que torna o momento eureca mais pleno. Pode acontecer em qualquer lugar. Uma vez me deu o clique em uma viagem de trem entre Lyon e Paris. Comecei a escrever feito louco, pondo a ideia no papel para que não escapasse.

Cite um matemático por quem nutre especial admiração. Johann Gauss (alemão, 1777-1855) com certeza está entre os grandes. A cha­mada Curva de Gauss é definida como a suprema curva da irracionalidade. Ela ajuda a descrever o mundo à nossa volta, mostrando que até mesmo fenômenos aleatórios, como a frenética movimentação dos átomos, são regidos por certas leis. É sublime.

Matemática combina com religião? Curiosamente, a proporção de matemáticos que acreditam em Deus é maior do que em outros campos científicos. A matemática vive da busca pelas regras máximas, e nisso há alguma espiritualidade. Sou agnóstico.
O que explica o fato de a França ser o país número 1 de medalhas Fields per capita? Há quatro coisas que os franceses fazem muito bem: amor, vinho, reclamação e matemática. O apreço pela ciência tem a ver com uma cultura que historicamente valoriza o universalismo e a abstração.
Por que o senhor decidiu entrar para a política? Depois da medalha Fields, ganhei status de celebridade e Macron (presidente francês) me convenceu a tentar uma vaga no Parlamento. A matemática precisa entrar na pauta: o líder que não olhar para ela terá uma política fraca. Organizei um jantar no Palácio do Eliseu com especialistas do mundo todo. Macron não é matemático, mas entende sua importância sob o prisma da filosofia e da política.

O senhor gosta do apelido “Lady Gaga da matemática”? Não me incomoda em nada. Acho engraçado.

Esquadrão de gênios invade a Guanabara
NO PANTEÃO –  Os medalhistas Fields 2018 (da esq. para a dir.): Birkar, Figalli, Scholze e Venkatesh
NO PANTEÃO –  Os medalhistas Fields 2018 (da esq. para a dir.): Birkar, Figalli, Scholze e Venkatesh (Marcos Michael/VEJA)
Desde a quarta-feira 1º, o Rio de Janeiro é o centro das atenções do mun­do da matemática.

A cidade sedia o prestigiado Congresso Internacional de Matemáticos (ICM, na sigla em inglês), que ocorre a cada quatro anos. Pela primeira vez, o evento, criado em 1897, será realizado na América Latina — um feito e tanto para o Brasil, tradicionalmente mal colocado nos rankings de desempenho escolar na disciplina. Apesar da nota vermelha nas salas de aula, o país vem registrando tremendo progresso no rarefeito olimpo da matemática avançada e acaba de ser admitido no grupo de elite da União Matemática Internacional, ao lado de Alemanha, China, Estados Unidos, França e Rússia, entre outras nações.

“Em termos de pesquisa científica, inexistente no país até os anos 1950, nós saímos da base para o topo em pouquíssimo tempo. Isso ajudou na escolha da sede deste ano”, diz Marcelo Viana, organizador do congresso e diretor do Instituto de Matemática Pura e Aplicada (Impa), mola propulsora do salto brasileiro para a estratosfera científica.

As 1 200 palestras e demais atividades do ICM atraem 2 800 especialistas ao Rio, entre eles doze ganhadores do equivalente ao Nobel da matemática, a medalha Fields, que o carioca Artur Avila, em conquista sem precedentes no país, pendurou no peito em 2014, em Seul. A cada congresso, quatro matemáticos são chamados ao palco, no dia da abertura, para receber a honraria. Neste ano as medalhas foram para Alessio Figalli, de 34 anos, italiano especialista em equações diferenciais que dá aulas na renomada Escola Técnica Federal de Zurique; Akshay Venkatesh, de 36 anos, indiano criado na Austrália que obteve seu Ph.D. aos 20 anos e trabalha com a teoria dos números no MIT; o alemão Peter Scholze, de 30 anos, especialista em geometria algébrica aritmética, que aos 24 se tornou professor titular da Universidade de Bonn; e Caucher Birkar, de 40 anos, iraniano radicado na Inglaterra que pesquisa geometria algébrica. Detalhe triste: Birkar teve meia hora para curtir sua Fields. A pasta com carteira, celular e a medalha, deixada sobre uma mesa, foi roubada. Recuperada, só continha o celular. Mesmo em seu momento de cidade de gênios, o Rio continua sendo o Rio.

Fonte: Veja





Sobre o Autor

Prof. Ms Valdivno Sousa é Contador, Matemático, Pedagogo, Psicanalista, Bacharel em Direito, Escritor e Mestrado em Ciências da Educação Matemática. Criador do método X Y Z que facilita na aprendizagem de equação e expressão algébrica com objetos ilustrativos. Docente nos cursos de Matemática, Ciências Contábeis, Administração e Engenharia. Autor de mais de 10 (dez) livros e têm vários artigos publicados em revistas e jornais especializados. Blogueiro Mtb 60.448, Consultor e Estrategista de Mídias Digitais. Semanalmente escreve para o portal D.Dez, Jornal da Cidade e Folha Online. Sobre: Comportamento, Educação Matemática e Desenvolvimento da Aprendizagem. Tem experiência na área de Matemática, com ênfase em Equações Diferenciais Parciais, Matemática Computacional e Engenharia Didática, atuando principalmente nos seguintes temas: métodos numéricos, equações diferenciais, modelagem, simulações e didática no ensino de matemática. Acesse o site: www.matematicosousa.com.br E-Mail: valdivinosousa.mat@gmail.com Whatsap: 11 – 9.9608-3728

Nenhum comentário